DRA. SARAH – GASTRITE POLIPOIDE

“A DIETA SEM GLÚTEN PODE TER SALVO A MINHA VIDA!”

Ainda muito jovem, aos 13 anos de idade, Sarah começou a sentir fortes dores no estômago.

Ela submeteu-se a uma endoscopia digestiva alta que revelou a presença de inúmeros pólipos sésseis hiperplásicos (sem pedículo) em todo o estômago e foi medicada com diversos inibidores da bomba de prótons sem sucesso (omeprazol, pantoprazol, esomeprazol e  lansoprazol).

Em função das dores epigástricas que a incomodavam muito, Sarah realizou mais 6 endoscopias nos anos seguintes e todas revelaram a presença de pólipos no corpo, fundo e antro gástrico.

Em 2006, aos 17 anos de idade, ela veio a Campinas e consultou um conceituado gastroenterologista professor da Unicamp que suspendeu a medicação antiácida e determinou a retirada completa do glúten da sua alimentação.

Com esse simples procedimento as dores epigástricas da paciente cessaram completamente.

Cinco anos mais tarde, já cursando a Faculdade de Medicina, a Dra. Sarah submeteu-se a uma nova endoscopia digestiva para controle evolutivo e foi constatado que a mucosa do seu estômago estava completamente livre das lesões polipoides.

O que mais nos surpreendeu no caso da Dra. Sarah foi a orientação para a retirada do glúten no tratamento da gastrite polipoide há mais de dez anos! É sabido que as lesões polipoides podem tornar-se neoplasias malignas e essa orientação dietética pode ter salvo a vida da Dra. Sarah.

Naquela época, o glúten ainda não era apontado como um dos grandes vilões nas doenças inflamatórias, o que revela que o brilhante médico que recomendou a dieta zero glúten e solucionou o seu caso estava muito à frente do seu tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *