ALINE – SÍNDROME DE SJÖGREN e MARIA LUIZA – AUTISMO

“A dieta sem glúten e sem caseína foi fundamental para o sucesso do nosso tratamento”

Em 2013 o dentista de Aline descobriu que ela estava com a boca seca, apresentava muitas cáries e levantou a hipótese de Síndrome de Sjögren.

A paciente submeteu-se a uma cintilografia das glândulas salivares e foi constatado que a parótida esquerda não estava secretando saliva, enquanto que a direita produzia apenas 32% do valor normal. Ela consultou um reumatologista e foi medicada com reuquinol sem sucesso. Os sintomas da síndrome de Sjögren se agravaram com o aparecimento de fortes dores articulares.

Aline realizou nos EUA um exame do receptor de vitamina D (VDR) cujo resultado foi 0%, revelando o motivo pelo qual ela é resistente à vitamina D e necessita ser medicada com altas doses desse hormônio.

Ela nos consultou em Campinas, prescrevemos o Protocolo da vitamina D potencializado por uma dieta sem glúten e, em poucas semanas, ela livrou-se de todos os sintomas da Síndrome de Sjögren.

Curiosamente, ela possui uma filha de 8 anos que livrou-se de um autismo severo apenas com a dieta sem glúten e suplementação de micronutrientes.

O ATEC (Autism Treatment Evaluation Checklist) de Maria Luiza era de 49 e reduziu para 5. Os pacientes com valores inferiores a 9 são considerados fora do espectro do autismo.

Segundo Mark Hyman, um dos médicos mais conceituados dos EUA, o glúten provoca dezenas de doenças graves como esclerose múltipla, artrite reumatoide, neuropatia periférica, Sjögren, depressão, esquizofrenia, enxaquecas e muitas outras, inclusive o autismo.

A dieta sem glúten ainda não faz parte do Protocolo da Vitamina D, mas é uma medida extremamente eficaz na terapêutica dessas patologias.

MERCEDES – SÍNDROME DE SJÖGREN

“Quando eu comia glúten, acordava na manhã seguinte com os olhos vermelhos, coçando, ardendo e com a boca muito seca.”

Há 8 anos a Sra. Mercedes começou a apresentar dores articulares, glândulas parótidas inflamadas, boca, olhos e genitais secos.

Consultou diversos médicos sem diagnóstico até o ano de 2013, quando procurou o HC de Ribeirão Preto e recebeu o diagnóstico de Síndrome de Sjögren Primária.

Ela foi medicada com corticoide durante 6 meses e, como não obteve melhora dos sintomas, abandonou o tratamento.

Em janeiro de 2017, ela nos procurou em Campinas e iniciamos o tratamento com altas doses de vitamina D e uma dieta sem glúten.

Após 4 meses, todos os sintomas da síndrome de Sjögren desapareceram. No período em que fez a dieta e tomou as vitaminas de acordo com a nossa prescrição ela passou muito bem.

Acreditando estar curada, ela interrompeu o tratamento e, poucas semanas depois todos os seus sintomas voltaram a se manifestar.

O seu depoimento é mais uma clara evidência de que a vitamina D em doses altas associado a uma dieta sem glúten é a melhor opção terapêutica para a Síndrome de Sjögren primária ou secundária.


 

RENAN: LÚPUS, SJÖGREN, ESCLERODERMIA, GASTRITE A.I., HASHIMOTO

“Em apenas 3 meses Renan perdeu 17 kg e, se Deus quiser, em pouco tempo voltará ao seu peso normal…”

Renan era médica veterinária e acabou contraindo duas graves moléstias infectocontagiosas: FEBRE MACULOSA e LEPTOSPIROSE. Ela ficou internada 45 dias, quase perdeu a vida e decidiu tentar uma nova profissão.

Hoje ela trabalha como TATUADORA e é apaixonada pelo que faz!

Provavelmente, em decorrência das moléstias infecciosas ou, quem sabe, das inúmeras tatuagens que possui, ela desenvolveu um conjunto de patologias autoimunes. Foi medicada com altas doses de cortisona e ganhou 66 kg em apenas 1 ano (aumentou de 56 kg para 120 kg.)

Quando nos procurou há 3 meses, Renan apresentava acentuada queda dos cabelos, muita fraqueza, dores articulares severas, mucosas extremamente secas, a sua pele estava pele rígida e tumefeita. Consultou diversos especialistas e recebeu 5 diagnósticos: Sjögren, Lúpus, Tireoidite de Hashimoto, Esclerodermia e Gastrite autoimune com deficiência do Fator intrínseco. Obviamente, a sua qualidade de vida estava muito prejudicada.

Suspendemos os medicamentos convencionais, eliminamos completamente os laticínios e o glúten tóxico da sua alimentação e prescrevemos vitamina D em doses hiperfisiológicas.

O resultado foi espetacular.  Em poucos dias Renan livrou-se de todos os sintomas das suas doenças, perdeu 17 kg e os seus cabelos voltaram a crescer.

O seu depoimento poderá ajudar muita gente a optar pela melhor solução terapêutica para as doenças autoimunes: vitamina D em doses altas e dieta sem glúten.

 

VERLENE – PÚRPURA TROMBOCITOPÊNICA E SÍNDROME DE SJÖGREN

Verlene veio ao Brasil para acompanhar o tratamento do seu esposo Ricardo com altas doses de vitamina D. Entretanto, ela disse que também gostaria de fazer uma consulta pois estava preocupada com alguns sinais e sintomas que estava apresentando.

Eu comentei que está ocorrendo uma verdadeira epidemia de doenças autoimunes que já atinge 1 cada 7 homens e 1 cada cinco mulheres nos Estados Unidos, ou seja, cerca de 70 milhões de pessoas. E concluí, em tom de brincadeira: vamos investigar o seu caso, mas prepare-se, pois “quem procura, acha!”

Durante a anamnese, Verlene informou que apresentava manchas roxas na pele e as suas plaquetas oscilavam em torno de 30.000/ml (normal: 200.000 a 400.000/ml). Queixou-se também mucosas secas mas, até o momento, os  médicos não haviam valorizado esses sintomas.

Solicitamos alguns exames de laboratório, constatamos que Verlene estava apresentando autoanticorpos e fizemos 2 diagnósticos: púrpura trombocitopênica  idiopática e  síndrome de  Sjögren.  

Verlene adotou a mesma dieta que recomendamos para o Ricardo.  Ela eliminou completamente o glúten da sua alimentação e, em apenas 4 meses as suas plaquetas aumentaram para 109.000, as manchas roxas desapareceram, o fluxo lacrimal normalizou e as alergias desapareceram completamente.

COM A DIETA SEM GLÚTEN, RICARDO EMAGRECEU 35 KG EM APENAS 4 MESES, SEM PASSAR FOME…

1

Considerando o fato de que somente 23% dos brasileiros estão com o peso ideal, a dieta sem glúten deveria ser uma regra e não uma exceção.