LUCIA – PARKINSON

“Todos os amigos e familiares comentam que eu melhorei muito”

Lucia recebeu o diagnóstico de Parkinson há 13 anos e, há 05 anos, ela implantou eletrodos no encéfalo que é um procedimento cirúrgico conhecido como DBS (Deep Brain Stimulation), ou Estimulação Cerebral Profunda.

Esse procedimento foi desenvolvido na França por volta de 1990 pelo neurocirurgião Prof. Alim-Louis Benabid e mais de 75.000 implantes já foram realizados em mais de 500 centros ao redor do mundo.

Com o estimulador cerebral os tremores praticamente desapareceram melhorando sensivelmente a sua qualidade de vida. Entretanto, ela ainda apresentava alguns importantes sintomas do Parkinson e após assistir aos depoimentos de nossos pacientes, decidiu nos procurar em Campinas.

Há 4 meses iniciamos o tratamento com o Protocolo da Vitamina D e uma dieta sem glúten e todos os sintomas que a paciente relatou na primeira consulta regrediram significativamente (cerca de 50%).

Provavelmente, a sua melhora guarda relação com os efeitos neurotróficos da vitamina D e com a correção da permeabilidade intestinal promovida pela dieta sem glúten.

O intestino poroso (leaky gut syndrome) faculta a absorção de proteínas mal dobradas (misfolded proteins), as quais estão sendo implicadas na fisiopatologia de doenças neurológicas degenerativas como o Parkinson (alfa-sinucleína) e Alzheimer (beta-amiloide).

https://www.nature.com/news/misfolded-protein-transmits-parkinson-s-from-cell-to-cell-1.11838

VANDERLENE ROSA – DOENÇA DE PARKINSON

Vanderlene é portadora de Doença de Parkinson há seis anos. Ela toma regularmente os medicamentos convencionais receitados pelo seu neurologista, porém não está totalmente satisfeita com os resultados.Vanderlene1

Recentemente ela procurou-nos em Campinas para tentar livrar-se dos movimentos involuntários que prejudicam muito as suas atividades cotidianas.

Nós mantivemos a prescrição convencional, receitamos o Protocolo da Vitamina D e recomendamos a eliminação do glúten tóxico da dieta.

Vanderlene ficou muito feliz com o tratamento. A melhora dos sintomas foi espetacular!

Vanderlene

Existem milhares de artigos científicos relacionando Parkinson e Glúten.

A gliadina (uma proteína venenosa do trigo) e a presença de resíduos tóxicos de Glifosato (agrotóxico Roundup) são apontados como os grandes vilões.
Estão sendo acumuladas claras evidências de que o tratamento convencional da Doença de Parkinson é potencializado pelo protocolo da Vitamina D associado à exclusão do glúten alimentar.


SR. JOÃO – DOENÇA DE PARKINSON


O Sr. João é um homem de negócios bastante atuante. Administra uma Empresa Construtora e Pavimentadora da qual é sócio-proprietário.SR JOÃODOENÇA DE PARKINSON

Há 10 anos apresentou os primeiros sintomas da Doença de Parkinson e, desde então, vem sendo acompanhado por conceituados Médicos Neurologistas de Campinas.

Apesar das limitações físicas impostas pela doença, ele continua em plena atividade. A sua inteligência está preservada e ele tinha consciência de que o seu quadro clínico estava se agravando.

Há três meses ele consultou-nos para saber se o protocolo da vitamina D poderia ajudar a reverter ou, pelo menos, retardar a evolução da sua patologia.  Nós lhe informamos que ainda temos poucos pacientes com a Doença de Parkinson, contudo,  os resultados têm sido animadores.

Decidimos então fazer uma tentativa com o Protocolo da Vitamina D, com a condição de que ele continuasse tomando os medicamentos convencionais exatamente como os seus Neurologistas lhe prescreveram.

A Doença de Parkinson é uma patologia neurológica crônica degenerativa de causa indeterminada que possui leve influência genética.  Está comprovado que guarda relação com determinadas drogas, com traumas cranianos repetitivos (lutadores de boxe), com agrotóxicos e com isquemia cerebral (o que explica a sua maior incidência em pacientes idosos).

Trabalhos científicos recentes revelaram que os neurônios produtores de dopamina (na substância nigra) são apresentadores de antígenos HLA Classe I, podendo tornar-se alvo de ataques e destruição pelos linfócitos T. Se o mecanismo autoimune ficar definitivamente estabelecido na Doença de Parkinson, em determinados casos a terapêutica com imunomoduladores como a Vitamina D poderá ser empregada como adjuvante da terapêutica clássica sintomática com a Levodopa.

Existem também na literatura inúmeros trabalhos científicos que relacionam o glúten com a incidência de patologias neurológicas, entre as quais a Esclerose Múltipla e o Parkinson.SR JOÃODOENÇA DE PARKINSON1

Há três meses prescrevemos para o Sr. João o Protocolo da Vitamina D desenvolvido pelo Dr. Cícero Galli Coimbra associado com a eliminação do glúten tóxico da dieta (trigo, centeio, cevada e aveia).

Ele e seus familiares estão muito contentes com a expressiva a melhora dos seus sintomas. O seu depoimento é bastante ilustrativo.

http://newsroom.cumc.columbia.edu/blog/2014/04/17/parkinsons-autoimmune-disease/