TANIA – MIASTENIA GRAVIS

“Eu sei, por experiência própria, que a dieta sem glúten

foi fundamental para a minha recuperação…”

Tania passava bem até 2003, quando começou a sentir fraqueza nas pernas e sofreu diversas quedas.

Começou a derrubar objetos, ficou com as pálpebras caídas, o sorriso invertido, muita dificuldade para mastigar e engolir, voz anasalada, perda de controle do esfíncter urinário e crises de falta de ar.

Iniciou o tratamento convencional com mestinon e altas doses de cortisona sem sucesso. Além do mais, esses medicamentos provocaram importantes efeitos colaterais como câimbras insuportáveis, insônia e obesidade.

Ela submeteu-se a uma cirurgia para retirar o timo, porém, o seu quadro clínico não melhorou. Esse ano ela apresentou 2 resfriados acompanhados de severa crise miastênica.

Recentemente ela nos procurou em Campinas em busca de uma nova terapia.

Suspendemos criteriosamente os medicamentos convencionais, retiramos o glúten tóxico da sua dieta e prescrevemos o Protocolo da Vitamina D.

O resultado foi excelente. Tânia já perdeu 16 kg, recuperou a alegria de viver e a sua qualidade de vida está muito melhor.

O seu depoimento poderá representar uma luz no fim do túnel para muitos pacientes portadores de miastenia gravis.

ROBERTO – MIASTENIA GRAVIS


“Hoje eu consigo subir escadas sem usar o corrimão…”

O Sr. Roberto é um homem dinâmico, bastante ativo e muito simpático.

Há 3 anos, aos 77 anos de idade ele começou a apresentar queda palpebral e após consultar um oftalmologista e 2 neurologistas recebeu o diagnóstico de Miastenia Gravis.

Ele foi medicado com Mestinon, Azatioprina e Prednisona e estava evoluindo bem. Entretanto, após tomar a vacina HN1 desenvolveu uma Pneumonia e os sintomas se agravaram muito. Roberto ficou muito fraco, mal conseguia engolir e precisava usar as mãos para ajudar na mastigação. Ele ficou e internado 8 dias e recebeu 35 frascos de Imunoglobulina humana nesse período.

Com o uso da cortisona ele ganhou 15 Kg e não estava evoluindo bem.

Há 4 meses ele nos procurou para submeter-se ao tratamento com o Protocolo da Vitamina D.

Suspendemos criteriosamente todos os medicamentos convencionais, ele já perdeu 10 Kg e na sua avaliação melhorou de todos os sintomas 80%.

A experiência adquirida com dezenas de casos de pacientes portadores de Miastenia Gravis, nos permite afirmar que o Protocolo da Vitamina D substitui com grandes vantagens o tratamento convencional.

CAIO PAUST – MIASTENIA GRAVIS


Quase 4 anos   X   Apenas 4 meses

Caio é um jovem Catarinense forte e discreto, especialista em mecânica pesada.

caio-paust-miastenia-gravis1Há quatro anos, ele começou a perder a força nas pernas e braços, passou a mastigar e engolir com dificuldade e roncar à noite, devido à queda do palato.

Consultou diversos médicos, realizou exames específicos e foi diagnosticado como portador de Miastenia Gravis. 

Iniciou o tratamento convencional com cortisona, azatioprina e mestinon, mas os efeitos colaterais desses medicamentos logo se manifestaram: Caio tornou-se hipertenso, ganhou 40 kg e ficou com a pele coberta de espinhas.

Apesar do tratamento, os sintomas da doença se agravaram e, contrariando a recomendação dos seus médicos, ele decidiu submeter-se ao tratamento com o Protocolo da Vitamina D.

A evolução foi incrível! Em apenas quatro meses Caio emagreceu 6 kg, as acnes secaram e ele recuperou a capacidade física.  Além disso, a sua pressão arterial normalizou e ele parou de roncar à noite.

Segundo a sua esposa, Caio retomou o trabalho pesado até tarde da noite, com a disposição e bom humor habituais.

O TRATAMENTO DA MIASTENIA GRAVIS COM ALTAS DOSES DE VITAMINA D, POTENCIALIZADO POR UMA DIETA SEM GLÚTEN, APRESENTA RESULTADOS EXTRAORDINÁRIOS. POR ESSE MOTIVO, TEMOS O DEVER MORAL DE COMPARTILHAR A NOSSA EXPERIÊNCIA COM O MAIOR NÚMERO POSSÍVEL DE MÉDICOS E PACIENTES.

ESTEVA – MIASTENIA GRAVIS


Esteva e seu marido Natanael são um casal de pessoas muito simpáticas, procedentes da cidade de Formiga, Minas Gerais.

Há 15 anos, Esteva começou a apresentar queda das pálpebras, dificuldades para sorrir e, em seguida, fraqueza muscular generalizada.

esteva

Em 2002 ela recebeu o diagnóstico de Miastenia Gravis e submeteu-se a uma cirurgia para remoção do timo, apresentando melhora transitória dos sintomas.

Pouco tempo depois, ela engravidou e o bebe nasceu com “Miastenia Neonatal”, necessitando tomar mestinon durante 5 meses.

Em 2015 ela procurou-nos em Campinas com queixa de muita fraqueza muscular nos braços, nos membros e na face. Reclamava também de visão dupla e voz anasalada.

Iniciamos imediatamente o tratamento com o Protocolo da Vitamina D e hoje ela está muito melhor: não apresenta mais diplopia, dirige normalmente, trabalha fora, cuida do filho, da casa e ainda freqüenta uma academia de ginástica três vezes por semana. Em síntese, desfruta uma vida plena e feliz.

Considerando a evolução dos nossos pacientes, podemos afirmar que:

A MIASTENA GRAVIS AINDA NÃO TEM CURA, MAS JÁ TEM SOLUÇÃO!