MARIA GORETTE – LÚPUS

“Eu não podia imaginar que um simples pãozinho pudesse provocar uma recaída do lúpus…”

Há 4 anos Maria Gorette recebeu o diagnóstico de Lúpus Eritematoso Sistêmico e foi medicada convencionalmente durante 3 anos. Ela estava evoluindo razoavelmente bem, mas precisou suspender o tratamento por causa da turvação visual causada pela hidroxicloroquina e do aumento do peso provocado pela cortisona.

Há 1 ano iniciamos o tratamento com o Protocolo da vitamina d e uma dieta sem glúten e, durante esse período, ela ficou completamente assintomática: o cabelo voltou a crescer e as dores articulares e as lesões de pele desapareceram.

Porém, recentemente, a paciente comeu um pão tradicional e as lesões dermatológicas do Lúpus voltaram a se manifestar, a despeito do alto nível sanguíneo de sua vitamina D (890 ng/ml).

Frequentemente encontramos na Internet postagens alegando que a ação imunomoduladora da vitamina D é tão poderosa que consegue bloquear os efeitos pró-inflamatórios do glúten.

Essa proposição é bastante atraente para aqueles que adoram os alimentos confeccionados com farinha de trigo. Porém, infelizmente, tudo indica que ela não é verdadeira.

Nos últimos anos reunimos e compartilhamos dezenas de testemunhos relatando que a ingestão de doses mínimas de glúten é capaz de provocar recidiva dos sinais e sintomas de doenças autoimunes que estavam em completa remissão, graças ao tratamento com o Protocolo da vitamina D.

O depoimento da paciente Maria Gorette é mais uma clara evidência da importância da dieta sem glúten como uma medida terapêutica complementar ao Protocolo da vitamina D.

RENAN: LÚPUS, SJÖGREN, ESCLERODERMIA, GASTRITE A.I., HASHIMOTO

“Em apenas 3 meses Renan perdeu 17 kg e, se Deus quiser, em pouco tempo voltará ao seu peso normal…”

Renan era médica veterinária e acabou contraindo duas graves moléstias infectocontagiosas: FEBRE MACULOSA e LEPTOSPIROSE. Ela ficou internada 45 dias, quase perdeu a vida e decidiu tentar uma nova profissão.

Hoje ela trabalha como TATUADORA e é apaixonada pelo que faz!

Provavelmente, em decorrência das moléstias infecciosas ou, quem sabe, das inúmeras tatuagens que possui, ela desenvolveu um conjunto de patologias autoimunes. Foi medicada com altas doses de cortisona e ganhou 66 kg em apenas 1 ano (aumentou de 56 kg para 120 kg.)

Quando nos procurou há 3 meses, Renan apresentava acentuada queda dos cabelos, muita fraqueza, dores articulares severas, mucosas extremamente secas, a sua pele estava pele rígida e tumefeita. Consultou diversos especialistas e recebeu 5 diagnósticos: Sjögren, Lúpus, Tireoidite de Hashimoto, Esclerodermia e Gastrite autoimune com deficiência do Fator intrínseco. Obviamente, a sua qualidade de vida estava muito prejudicada.

Suspendemos os medicamentos convencionais, eliminamos completamente os laticínios e o glúten tóxico da sua alimentação e prescrevemos vitamina D em doses hiperfisiológicas.

O resultado foi espetacular.  Em poucos dias Renan livrou-se de todos os sintomas das suas doenças, perdeu 17 kg e os seus cabelos voltaram a crescer.

O seu depoimento poderá ajudar muita gente a optar pela melhor solução terapêutica para as doenças autoimunes: vitamina D em doses altas e dieta sem glúten.

 

JULIANA – LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO

Juliana é portadora de Lúpus há 10 anos.

O seu pai é médico formado na Unicamp e nós nos conhecemos há 40 anos.

Quando ele me ligou perguntando se eu poderia cuidar da sua filha, eu me senti lisonjeado e ao mesmo tempo preocupado, porque o seu caso era grave e ela estava sendo acompanhada pelos melhores médicos de Campinas, tanto na Universidade quanto na clínica particular do meu ex-professor de Reumatologia.

Juliana estava sendo medicada com reuquinol, azatioprina, micofenolato, metotrexato, altas doses de cortisona e inclusive Belimumabe (Benlysta), um remédio biológico de alto custo, porém, estava evoluindo mal.

Quando a recebemos em nosso consultório ela apresentava extensas lesões dermatológicas, dores articulares, fadiga intensa, queda de cabelos e, por conta da cortisona, desenvolveu muitas estrias na pele e já havia ganhado 20kg.

Suspendemos todos os medicamentos convencionais e iniciamos o tratamento com Vitamina D em altas doses e uma rigorosa dieta sem glúten.

A evolução clínica da paciente foi espetacular! Em apenas 4 meses ela perdeu 17kg, as lesões de pele, as dores articulares e a fadiga desapareceram.

1Como o seu caso estava sendo conduzido por renomados especialistas em reumatologia, é óbvio que o sucesso do nosso tratamento não é uma questão de competência médica e sim de eficiência terapêutica.

O enorme conjunto de depoimentos que publicamos nos últimos anos constituem uma forte evidencia de que a Vitamina D em doses hiperfisiológicas associada a uma dieta sem glúten e sem laticínios é a melhor terapêutica para todos os distúrbios imunológicos.

MARLENE – LÚPUS

O Lúpus Eritematoso sistêmico é uma doença do tecido conjuntivo que pode desencadear manifestações clínicas diversas.

No caso da Sra. Marlene, os principais órgãos atingidos foram os rins, com proteinúria acentuada e hipertensão arterial.

Os primeiros sintomas do Lúpus foram as dores articulares que se manifestaram há 5 anos.

Algum tempo depois a paciente percebeu que a sua urina estava espumando muito e foi submetida a uma biópsia renal na Unicamp recebendo o diagnóstico de “nefrite lúpica”.

Durante 2 anos foi medicada com prednisona e azatioprina sem melhora dos sintomas: fadiga, artralgias e vasculite.

lupos-marleneEsses medicamentos provocaram graves efeitos colaterais: ela ganhou 20 kg, ficou hipertensa, apresentou severa leucopenia e, em função da baixa da imunidade, desenvolveu um extenso herpes zoster no flanco direito.

Insatisfeita com a sua evolução ela nos procurou em Campinas para tentar uma nova terapia.

Suspendemos os medicamentos convencionais e iniciamos o tratamento com a vitamina D associada a uma dieta sem glúten.

Após 6 meses de tratamento a Sra. Marlene perdeu 13 kg, não sofre mais dores articulares, a fadiga desapareceu, a queda de cabelos cessou e não apresenta mais os sinais da vasculite lúpica na pele.

A sua pressão arterial reduziu, a proteinúria normalizou e o título do FAN caiu de 1/640 para 1/320.

O seu depoimento é mais uma evidência clínica de que a vitamina D em doses altas associada a uma dieta sem glúten é a melhor conduta terapêutica para as doenças autoimunes.