FRANCISCO – DOENÇA DE BEHÇET

“VASCULITE SISTÊMICA AUTOIMUNE”

francisco2Há 2 anos, Francisco participou de um jogo de futebol normalmente e, no dia seguinte, acordou com apenas 20% da visão em ambos os olhos.

Diagnosticado, equivocadamente, como portador de Toxoplasmose Ocular (IgG positivo), ele foi medicado durante 1 ano com sulfa e cortisona.

Após ser atendido por diversos médicos, ele consultou uma experiente oftalmologista em Goiânia que fez o diagnóstico de uveíte intermediária (fotos em anexo) e, considerando as uveítes recidivantes com as úlceras bucais e genitais, fechou o diagnóstico clínico de Doença de Behçet e o encaminhou para uma conceituada reumatologista, também da cidade de Goiânia. Ela manteve o tratamento com altas doses de cortisona e acrescentou metotrexato e ácido fólico.francisco1

Devido à corticoterapia prolongada, Francisco ganhou 10 kg e desenvolveu catarata precoce em ambos os olhos (já operados). Preocupado com os graves efeitos colaterais desses medicamentos, Francisco buscou outras terapias na Internet e veio nos consultar em Campinas.

Suspendemos criteriosamente os medicamentos convencionais e iniciamos o tratamento imunomodulador com altas doses de Vitamina D e dieta sem glúten (existem milhares de trabalhos científicos relacionando o glúten e a Doença de Behçet).

Após 4 meses ele retornou a Campinas para a segunda consulta e, plenamente satisfeito com a sua evolução, gravou um depoimento para ajudar-nos a divulgar esse Protocolo que é uma verdadeira REVOLUÇÃO TERAPÊUTICA na prevenção e controle das doenças autoimunes.


A Doença de Behçet recebeu esse nome em homenagem ao dermatologista turco Hulusi Behçet que a descreveu detalhadamente em 1937 (embora ela já fosse citada pelos gregos desde a Antiguidade Clássica). 

Trata-se de uma vasculite crônica autoimune que atinge preferencialmente veias de pequeno calibre. É mais frequente em homens (2:1) e as suas principais manifestações clínicas são: uveítes recidivantes, úlceras orais e úlceras genitais.

A doença de Behçet (pronuncia-se bedjet) é também conhecida como DOENÇA DA ROTA DA SEDA, devido a sua grande incidência na vasta região cruzada por essa antiga rota comercial de 7.000 km que interliga os países europeus mediterrâneos com a China no Extremo Oriente.

A rota comercial da seda acabou se tornando uma rota migratória e, o embaralhamento genético das populações que se instalaram ao longo desse percurso criou um padrão  hereditário de histocompatibilidade (HLA B 51) que favorece o desenvolvimento da Doença de Behçet, a qual é pouco frequente nos demais países do mundo (1/20.000 habitantes).


BRUNA MACEDO – DOENÇA DE BEHÇET

UM DEPOIMENTO ESPETACULAR QUE PRECISA SER DIVULGADO PARA O MAIOR NÚMERO POSSÍVEL DE MÉDICOS E PACIENTES.

Dr. ISRAEL CIRLINAS é um dos médicos da nossa equipe que participou dos Seminários sobre a Vitamina D em São Paulo e, em seguida, realizou um estágio na CLÍNICA do DR. CÍCERO.

Recentemente ele começou a gravar depoimentos dos seus pacientes e encaminhou-me esse vídeo que eu fiz questão de compartilhar em nosso site.

Trata-se de um caso grave de DOENÇA DE BEHÇET – também conhecida como Doença da Rota da Seda – uma VASCULITE AUTOIMUNE DISSEMINADA que pode causar lesões de gravidade variável em múltiplos órgãos.

A paciente foi medicada durante muito tempo com praticamente todos os medicamentos convencionais sem sucesso.  Em uma das diversas internações que sofreu, ela desenvolveu crises convulsivas que provocaram uma PARADA CARDÍACA.

Após receber alta a paciente ficou sabendo do PROTOCOLO DA VITAMINA D e procurou o Dr. Israel Cirlinas.  Em poucos dias de tratamento ela ficou livre de todos os sintomas e abandonou todos os MEDICAMENTOS CONVENCIONAIS.

BrunaIsrael

Quero parabenizar o DR. ISRAEL pela condução bem sucedida de mais esse caso grave de patologia autoimune e destacar que todo o sucesso terapêutico que estamos alcançando deve ser creditado ao DR. CÍCERO GALLI COIMBRA, médico e pesquisador que idealizou o “Protocolo da Vitamina D em Doses Hiperfisiológicas”.